A CMP, por meio de suas entidades filiadas, desde o início da pandemia tem promovido ações de solidariedade em todo o país, com ações de distribuição de cestas básicas, marmitex, materiais de higiene e limpeza, máscaras de proteção, além da realização de atividades voltadas para conscientização das pessoas a respeito de seus direitos e sobre a responsabilidade do estado em garantir políticas de emprego e renda, moradia e saúde.

Já são mais de sete meses de pandemia da covid-19 no país, e durante todo esse tempo a CMP vem promovendo

ações de solidariedade em prol de famílias com baixa renda ou sem nenhuma renda, desempregadas, sem proteção do nefasto governo Bolsonaro e sua política ultraliberal.

No sábado (10) a ação foi voltada para a conscientização sobre a importância do uso de máscaras de protecção para prevenir a contaminação pelo coronavírus. Costureiras da CMP, em parceria com o Fundo Casa e AMEM (Associação de Mulheres em Movimento), confeccionou máscaras de forma artesanal – que foram distribuídas na Praça Mais Infância do Siqueira, no Jardim Jatobá, em Fortaleza, capital do Ceará.

Integrantes da CMP relataram que, no local onde foi feita a distribuição das máscaras havia muita gente que não fazia uso do equipamento de proteção, daí a importância de conversar com as pessoas sobre a situação da pandemia no país e a necessidade de todos e todas usarem máscara, além do álcool em gel para proteção do coronavírus.

Solidariedade na pandemia

Os movimentos sociais estão organizados desde o início do isolamento social para arrecadar e doar alimentos e produtos de higiene e proteção para os mais vulnerabilizados durante a pandemia. Nesse sentido, as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo criaram a campanha Vamos Precisar de Todo Mundo, para reunir e abrigar essas ações.

Já foram mais de 4 mil toneladas de doações desde abril, em todo o país.

O ato das doações também visa levar consciência política política para a população. A ONU acaba de acender o alerta de que o Brasil está voltando ao Mapa da Fome, com milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza. Em contrapartida, o governo Bolsonaro reduziu o auxílio emergencial, projeto da oposição que concedeu R$ 600 aos brasileiros afetados pela falta de trabalho e renda nesse período. Com o valor atual, de R$ 300, pagos pelo governo, é impossível para as famílias se sustentarem.

Preço da cesta básica 

Em agosto, o Dieese apurou o valor para a cesta básica. Com alta de 2,90% em relação a julho, o preço foi calculado em R$ 539,95. Assim, com base nesse valor, o instituto calculou em R$ 4.536,12 o salário mínimo necessário para as despesas básicas de uma família de quatro pessoas – 4,34 vezes o oficial (R$ 1.045).

Fora Bolsonaro

Os movimentos sociais estão em campanha permanente pelo Fora Bolsonaro, tendo em vista a política ultraliberal que visa somente a retirada de direitos dos trabalhadores. Além disso, o incentivo à perseguição aos negros, indígenas e pobres, que tem causado dor e sofrimento às minorias, são outros fatores denunciados pela campanha.