O projeto  Agentes Populares por Direitos deu início aos trabalhos na Ocupação Vale do Amanhecer em Bayeux, na Paraíba.

Na ocasião, foi realizado o dia de censo comunitário, para avaliar a situação econômica e social das famílias locais. O objetivo é aprofundar a investigação sobre o acesso aos direitos sociais, com foco nos direitos à seguridade social e serviços públicos.

Inspirado no Agentes Populares de Saúde, que forma pessoas da própria comunidade para prestar assistência com medidas básicas de saúde, o projeto Agentes Populares por Direitos é uma iniciativa do Movimento dos Trabalhadores por direitos (MTD) e da Rede Periferia Viva, construída por jovens, mulheres e trabalhadores (as) que atuam nos territórios onde vivem, através da organização e luta pelo acesso aos direitos individuais e coletivos violados cotidianamente nas periferias das cidades brasileiras.

Solidariedade e formação

Desde o início da pandemia, os movimentos sociais estão com campanhas permanentes de solidariedade para distribuir alimentos e produtos básicos de higiene e limpeza aos mais vulneráveis. Nesse contexto, também estão realizando diversas ações que contribuem para a expansão da consciência política sobre o atual momento do país, como o Agentes Populares de Saúde, que já funciona em Pernambuco, na Paraíba e em São Paulo. O Agentes por Direitos está sendo colocado em prática na Paraíba e deve seguir para outros estados.

Com a redução da renda emergencial de R$ 600 para R$ 300 decretada por Bolsonaro, fica mais dura a vida para os que dependem do auxílio do governo. Além disso, mais de 6 milhões de pessoas deixaram de receber o recurso, por novas exigências nos cadastros.

Os partidos de oposição no Congresso estão buscando reverter a decisão do governo para que o auxílio emergencial não seja reduzido. Enquanto isso, os trabalhadores e trabalhadoras, jovens, militantes e voluntários é que estão tomando iniciativas para diminuir a fome.

   

É o povo cuidando do povo!
É o povo lutando pelos seus direitos!