Mil famílias carentes de Curitiba e Araucária recebem doação de alimentos em ação coletiva

Cada um contribuiu a partir do próprio trabalho e experiência, como as condições que têm, somando a uma grande ação coletiva. Estas são as marcas da iniciativa que tornou possível a doação de dez toneladas de alimentos e 650 pães para mil famílias carentes de Curitiba e Araucária – Paraná, na última sexta-feira (25).

A iniciativa é do MST, juntamente com os agricultores familiares e padarias comunitárias, organizados a partir da ação Marmitas da Terra, que envolve cerca de 90 voluntários e voluntárias, entidades e sindicatos.

As mil sacolas distribuídas refletem a união solidária dos movimentos populares paranaenses. As hortaliças e legumes vieram de lavouras da Agricultura Familiar de São José dos Pinhais e de agricultores da comunidade quilombola do Feixo, localizada na Lapa. São produtos que não se encaixam no “padrão de mercado”, seja pelo tamanho ou pela cor, mesmo estando próprios para consumo.

Famílias da Vila Favorita, em Araucária recebem doação de alimentos. Foto: Joka Madruga

Os alimentos chegaram às famílias das Vilas Santa Cruz e Favorita, em Araucária por meio das associações de moradores. Já em Curitiba, no Jardim Santos Andrade, a entrega foi na associação local, e na Vila São Pedro, a partir do Centro Comunitário e de Proteção Alimentar Padre Miguel (Cecopam).

Uma carta escrita por pessoas voluntárias na ação Marmitas da Terra foi entregue às famílias junto com os alimentos: “Junto com a nossa solidariedade, queremos que esses alimentos também sejam símbolo de esperança e da força que temos quando estamos unidos. Queremos que saiba que existe muito afeto, sabor e amor envolvido”, diz um trecho da mensagem. Confira na íntegra abaixo.

A partir da doação dos agricultores, os mutirões de colheita organizados pelo MST garantiram que os alimentos chegassem na mesa de quem mais precisa.

Foram doados cerca de 650 pães. Foto: Adriane Andrade

Já os pães foram produzidos por padarias comunitárias de Curitiba, formadas especialmente por mulheres. Elas integram a Associação de Cozinhas e Padarias Comunitárias Fermento na Massa, que reúne coletivos da capital e de outras cidades do estado.

Marmitas da Terra

A iniciativa de doação de alimentos é parte da ação Marmitas da Terra, iniciada pelo MST em maio, com objetivo de distribuir gratuitamente marmitas para pessoas em situação de rua e famílias da periferia de Curitiba e região. O trabalho acontece todas as quartas-feiras, com a produção de cerca de 700 quentinhas. Ao todo, 19 mil marmitas já foram doadas.

A maior parte dos alimentos utilizados nas refeições vêm de áreas da Reforma Agrária e da agricultura familiar. Uma campanha de financiamento busca manter o projeto até dezembro deste ano (https://www.instagram.com/mst_parana/).

Desde o mês de julho, o coletivo de voluntários passou a realizar os mutirões de colheita em área da Agricultura Familiar, tanto para doações às famílias e comunidades, quanto para compor o cardápio semanal das marmitas.

Em setembro, mês da chegada da primavera e do período de plantio, o coletivo iniciou também a criação de hortas e agroflorestas coletivas no Assentamento Contestado, na Lapa (PR). A intenção é garantir alimentos saudáveis para continuidade da produção das marmitas e das doações de alimentos, que o MST tem realizado. Cerca de 430 toneladas de alimentos foram doadas em todo o estado desde o início da pandemia, por mais de 170 comunidades de trabalhadores e trabalhadoras do MST.

Confira a íntegra da carta dos voluntários na ação Marmitas da Terra:

Olá, amiga e amigo! 

Esperamos que esteja tudo bem por aí. 

Tomamos a liberdade de escrever essa carta para contar um pouco de onde esse alimento vem e como ele chegou até você. 

Nos últimos meses, nós do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e mais de 90 voluntários nos unimos em uma grande corrente de solidariedade, a Ação Marmitas da Terra. Toda quarta-feira, produzimos em torno de 700 marmitas que são distribuídas para a População em Situação de Rua, no centro, e para moradores da periferia de Curitiba.

Nossa ação busca suprir a demanda básica de alimentação com comida de verdade, a maioria vinda de comunidades do MST de diversas partes do Paraná e também da Agricultura Familiar. Como diz o ditado: “se o campo não planta, a cidade não janta”, não é mesmo?! 

Semanalmente, através de muitas mãos que se somam em mutirão, realizamos a Colheita Solidária. Batata, repolho, cenoura e outros alimentos dos quais somos abençoados com a possibilidade de retirá-los diretamente da Terra, compondo uma marmita cheia de cores que reflete bem a riqueza do campo! 

Estamos também na época de plantio e desenvolvemos uma Agrofloresta, plantação baseada em um modelo produtivo sustentável, para atender a demanda da cozinha enquanto se estender a pandemia.

As verduras e legumes que chegam até você hoje vêm de áreas de São José dos Pinhais e da comunidade quilombola do Feixo, da Lapa. Já o pão é resultado do trabalho de padarias comunitárias de Curitiba e região, formadas especialmente por mulheres. 

Junto com a nossa solidariedade, queremos que esses alimentos também sejam símbolo de esperança e da força que temos quando estamos unidos. 

Queremos que saiba que existe muito afeto, sabor e amor envolvido.

Fique bem e se cuide!

Até logo mais!

25 de setembro de 2020

MST e voluntários e voluntárias da Ação Marmitas da Terra

Fonte: MST