Duas edições da Marmita Solidária acontecem simultaneamente no dia 7 de setembro, como parte da programação unificada pelo Grito dos Excluídos na capital do Rio de Janeiro e no município de Resende, no sul do estado. A Marmita Solidária mobiliza diversas frentes do campo popular e distribui refeições de qualidade para a população em situação de vulnerabilidade social e trabalhadores informais durante a pandemia.

Serão preparadas 350 quentinhas da feijoada popular no Armazém do Campo RJ para a 7ª edição da Marmita Solidária na capital. A entrega ocorre a partir das 11h no centro do Rio, em localidades como a Rua do Passeio, Arcos da Lapa e a praça da Cruz Vermelha. Ao todo, a ação já distribuiu mais de 2 mil marmitas produzidas com alimentos vindos da Reforma Agrária e envolve cerca de 100 Mãos Voluntárias contribuindo na cozinha, limpeza, montagem e distribuição.

“Não só distribuímos refeições, mas também dialogamos com a sociedade explicando o porquê daquele alimento, de onde ele veio, que é oriundo da Reforma Agrária e da solidariedade nesses tempos de pandemia. O governo Bolsonaro, além de golpista, minimiza a pandemia enquanto tira direitos da classe trabalhadora. O Grito dos Excluídos é um dia de muita luta pra gente”, afirma Edneia Pinto, do assentamento Irmã Dorothy e coordenadora regional do sul-fluminense.

Em Resende, serão 200 marmitas entregues simultaneamente na região da Baixa Olaria e na ocupação Vila Unida. O cardápio para esta 4ª edição no sul-fluminense é arroz, feijão, macarrão, frango com aipim e sopa de inhame com couve e mostarda. Além de assentados e assentadas no Irmã Dorothy, a ação também conta com cerca de 16 Mãos Voluntárias, inclusive de cidades vizinhas, que colaboram no transporte e entrega das refeições.

Marmita Solidária no Rio de Janeiro. Foto: Pablo Vergara

Para marcar o Grito dos Excluídos, os organizadores ainda planejam erguer duas faixas da campanha Fora Bolsonaro na Avenida Presidente Dutra, principal via de acesso entre os estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Quer somar com a iniciativa? O custo de cada Marmita Solidária é R$ 8,35. É possível apoiar com qualquer quantia através da conta no Banco do Brasil (Ag: 3086-4 / C/c: 27970-6) CNPJ: 08.087.241/0001-21. Escola Estadual de Formação e Capacitação à Reforma Agrária (ESESF).

Além do MST, também constroem a Marmita Solidária o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Levante Popular da Juventude, Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro (AARJ), Movimento das Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos (MTD), Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe), Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES), União da Juventude Socialista (UJS), Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro, Sindicato dos Trabalhadores do Comércio do Rio de Janeiro e a Frente Brasil Popular (FBP).