A iniciativa visa gerar imagens que denunciem ao mundo a destruição do Brasil pelo governo Bolsonaro 

Para marcar o dia da Independência do Brasil, as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo se juntam ao Grito dos Excluídos, num Ato Cênico Performático – Em defesa da Vida, da Democracia e dos Direitos – para denunciar a destruição do Brasil pela chapa Bolsonaro-Mourão, no dia 7 de setembro, no gramado em frente ao Teatro Nacional, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, a partir das 9 horas. Intitulado “Brasil, qual seu grito? #ForaBolsonaroeMourão”, o objetivo do Ato é gerar imagens que mostrem a trágica situação que o Brasil vem enfrentando pelo descaso do governo federal com a vida do povo.

Tem, ainda, o objetivo de sensibilizar a população no sentido de refletir e de tomar posição quanto à urgência de exigir o fim do governo Bolsonaro-Mourão.

O ato, dirigido pelo dramaturgo brasiliense Zé Regino, pensada coletivamente e inspirada nas escolas de samba do carnaval, será organizada em alas e cada uma delas vai fazer uma denúncia, por meio de recursos cênicos, de forma estática, silenciosa, sem microfones ou autofalantes e respeitando o distanciamento social.

Os três temas – Vida, Democracia e Direitos – serão retratados pelos diversos movimentos sociais, coletivos políticos de resistência e partidos políticos de esquerda.

No primeiro tema – Em Defesa da Vida – as alas que simbolizarão a destruição das vidas humanas pelo governo genocida serão compostas por profissionais da saúde, pela comunidade negra, pelas mulheres, pelos povos indígenas e pela população LGBT.

O segundo tema – Em Defesa da Democracia – terá alas formadas pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia-ABJD e pelas Torcidas Organizadas, as quais mostrarão os ataques à democracia brasileira, a denúncia da apologia à volta da ditadura militar e o desrespeito às instituições que visam a garantir o Estado Democrático de Direito.

O terceiro tema – Em Defesa dos Direitos– terá em sua composição os movimentos sociais que lutam por terra e moradia no campo e na cidade, estudantes, sindicatos e partidos políticos. Cada um levará sua bandeira, sua luta e seus sonhos. Aqui, a narrativa mostrará o aniquilamento dos direitos trabalhistas, o corte das verbas para a educação, os despejos, o ataque aos assentamentos do MST, ao serviço público e a seus trabalhadores/as.

Assim, a tragédia do Brasil de hoje, representada na Esplanada dos Ministérios no “Dia da Independência” vai mostrar, não apenas ao País, mas ao mundo, os males provocados pelo governo genocida que tomou de conta do Palácio do Planalto, ao tempo em que revelará que há forças vivas, as quais resistem e querem um país que garanta a dignidade de seu povo.

Grito dos Excluídos

O Grito dos Excluídos é realizado tradicionalmente, desde 1995, no dia 7 de setembro, como uma contraposição ao grito da Independência que, para os movimentos sociais, é um grito que ainda não se concretizou, tendo em vista a extrema desigualdade no país, que impede seu povo de ser realmente livre.

Em sua 26ª Edição,  o Grito dos Excluídos desse ano tem como lema “Basta de miséria, preconceito e repressão! Queremos trabalho, terra, teto e participação!”. A escolha é uma resposta ao cenário de desmonte de direitos e ao aumento da repressão do Estado contra as populações mais pobres.

Nesse sentido, as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo se unem ao Grito para dizer: “Brasil, nosso grito é #ForaBolsonaroEMourão! Em Defesa da Vida, da Democracia e dos Direitos!”

#ForaBolsonaroeMourão

As Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo estão com a campanha permanente pelo ‘Fora Bolsonaro‘, criada para denunciar o quanto esse governo tem sido destrutivo para o Brasil e os brasileiros. Em menos de dois anos, são 56 pedidos de impeachment apresentados pela sociedade civil, movimentos sociais, partidos e pessoas físicas, ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal, contra a chapa Bolsonaro-Mourão.

O diretor

Zé Regino, diretor e ator de teatro, palhaço, arte educador, artista plástico, cenógrafo e figurinista, graduado pela Fundação Brasileira de Teatro e Mestre em Arte e Processos Composicionais Para a Cena pela Universidade de Brasília (UnB), concluído com a dissertação “A Dramaturgia da Atuação Cômica – O Desempenho do Ator na Construção do Riso”. Instrutor em Yoga do Riso certificado pela Laughter Yoga International University. Em Brasília, fundou o Grupo de Teatro Celeiro das Antas. Foi professor na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes e professor de Direção Teatral no Departamento de Artes Cênicas da UnB, consultor técnico em Arte Educação da UNESCO atuando no Ministério do Meio Ambiente. Participou com seus trabalhos de festivais em vários estados do Brasil, Espanha, EUA, Portugal, Itália, Alemanha e Malta. Na sua formação de palhaço foi aluno de Carlos Tamanini.

Serviço

Todas as normas sanitárias de afastamento, de não aglomeração e de uso de máscaras serão respeitadas.

Dia: 7 de Setembro
Local: Gramado em frente ao Teatro Nacional, Esplanada dos Ministérios
Horário: A partir das  9 h