Operação policial de despejo, no Sul de Minas, viola direitos humanos e ignora decreto de calamidade pública pela pandemia

Nesta quinta-feira, 13 de agosto, o Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais (Consea-MG) divulgou nota em apoio às famílias de agricultores e agricultoras do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), do Acampamento Quilombo Grande, no município de Campo do Meio, que está sofrendo ação de despejo ordenada pelo governo de Romeu Zema (Novo). A nota tem o apoio dos  Conselhos Regionais de Serviço Social  (CRESS-MG). Na manhã desta sexta (14), helicópteros da polícia sobrevoaram a área, na tentativa de intimidar as famílias.

No documento, o Consea-MG pede a suspensão da operação policial de despejo e que se estabeleça uma mesa de diálogo para uma solução justa e pacífica, respeitando o direito à vida, moradia, ao trabalho e a alimentação dessas famílias. Segundo a nota, com a decisão de Zema, judiciário e governo impõem grave violação de direitos humanos e incitam o conflito e a violência contra a classe trabalhadora rural sem-terra, mesmo sob o decreto de calamidade pública devido à pandemia da Covid-19.

Leia a nota na íntegra > https://bit.ly/3gT59q0

O MST pede que continuem as ações e denúncias nas redes sociais com as hashtags #ZemaCovarde e #SalveQuilombo.

Fotos da ação do helicóptero da polícia militar na manhã de hoje:

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e atividades ao ar livre

A imagem pode conter: céu, planta, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e atividades ao ar livre

 

Assista ao depoimento de Tuíra Tule, acampada do MST:

Protesto na BR 116 no Vale do Rio Doce amanhece fechada pelo MST para pressionar governador

O médico infectologista Unaí Tupinambás, do comitê de enfrentamento ao covid-19, pede suspensão IMEDIATA da ação de despejo