Estimativa é arrecadar cerca de 10 toneladas de alimentos para a ação 

Neste sábado (8), famílias em situação de vulnerabilidade moradoras da cidade de Castro (PR) vão receber cestas de alimentos in natura, produzidos por camponeses integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Os alimentos serão partilhados com famílias da associação do bairro Operário e para pessoas cadastradas pelo Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) da prefeitura.

A estimativa do MST é arrecadar cerca de 10 toneladas de alimentos, produzidos e colhidos em lavouras, hortas e pomares de assentamentos e acampamentos de Castro e Ponta Grossa. Arroz, leite, feijão, verduras, legumes e frutas, pães e macarrão caseiros farão parte das cestas entregues às famílias urbanas.

:: Assista ao lindo vídeo produzido pelo MST sobre as ações de solidariedade: “Partilhar o pão’
>>

>>

Entre a diversidade de alimentos saudáveis entregues às famílias estará a produção do acampamento Maria Rosa do Contestado, de Castro, que conquistou certificação de produção 100% agroecológica em março deste ano. Junto ao acampamento Maria Rosa do Contestado, participam da ação outras cinco comunidades de Castro: assentamentos Três Pinheiros, Três Lagoas, Conceição, acampamento Padre Roque Zimmermann, agricultores familiares da comunidade Lagoa dos Ribas, e Associação União, que integra assentados e pequenos agricultores da região. O assentamento Che Guevara e acampamento Emiliano Zapata, de Ponta Grossa, também fazem parte da mobilização.

A montagem das cestas será concentrada no acampamento Maria Rosa do Contestado na sexta-feira (7), a partir das 12h, com a benção dos alimentos às 15h pelo Frei Franciscano Luiz Antonio Frigo, de Ponta Grossa.

A coordenação da atividade enfatiza a orientação para uso de máscara, distanciamento social e higienização das mãos em todos os estágios da ação, desde a arrecadação, organização das cestas, até a entrega dos alimentos. No dia de distribuição das doações, entidades parceiras do MST também vão distribuir máscaras à população.

Joabe Mendes, integrante da direção estadual do MST, enfatiza que a ação integra as ações nacionais de solidariedade do Movimento em todo o Brasil, e também as iniciativas do poder público local, que tem feito o trabalho de prevenção. “É uma satisfação muito imensa a gente poder participar dessa atividade de solidariedade, nós que ainda estamos conseguindo trabalhar nesse momento tão difícil, nada mais justo que pode ajudar nossos irmãos, companheiros que moram na cidade que estão impedidos de trabalhar devido à pandemia”, diz o dirigente.

A imagem pode conter: comida

Os pães produzidos pelas companheiras de Castro (PR) serão incluídos nas cestas básicas

O acampamento Maria Rosa do Contestado mantém uma horta coletiva, criada em maio para contribuir com a continuidade das doações de alimentos neste período de pandemia. Lá também será produzido macarrão caseiro e pães para incluir nas cestas.

Campanha permanente de solidariedade

A iniciativa faz parte da campanha nacional das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, Vamos Precisar de Todo Mundo, em solidariedade a quem enfrenta a fome neste período de pandemia da Covid-19. Até agora, mais de 2.500 toneladas de alimentos já foram partilhados em todo o país desde o final de março somente pelo MST.

No Paraná, as famílias da Reforma Agrária doaram 390 toneladas de alimentos – incluindo doações feitas por comunidades de Ponta Grossa e Castro. Além da doação dos produtos in natura, cerca de 9.500 marmitas foram produzidas e distribuídas pelo Movimento em parceria com outras organizações em Curitiba, e aproximadamente 600 máscaras de tecido, produzidas e doadas por mulheres do MST, também foram entregues até o momento.

MST Paraná com edição de todomundo.org