O acampamento Campo e Cidade Paulo Botelho, em Jardinópolis (SP), existe há menos de 6 meses e se estrutura em meio à uma pandemia que mostrou a todos uma crise política, econômica, social e sanitária existente no país.

Entretanto, nada disso impediu aos acampados de abraçarem o modelo de produção agroflorestal e produzirem as primeiras verduras, legumes e frutas.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé, árvore, planta, céu, sapatos, atividades ao ar livre e natureza

Parte da produção já faz parte da alimentação diária dos acampados, ajudando a garantir a subsistência da comunidade durante o período de desemprego e isolamento social.

“Nós começamos a plantar um sonho e, agora, estamos colhendo verdura. Eu estou plantando alface, beterraba, coentro, cebola de cabeça, cenoura planeta, couve, melancia, abóbora cambotcha entre outros”, disse o acampado Guilherme Pedrozo.

A imagem pode conter: planta, flor, grama, árvore, atividades ao ar livre e natureza

Mas não para por aí. Além de ajudar a garantir uma alimentação saudável aos acampados, parte da produção já começa a ser comercializada. Mesmo que em pequena quantidade, a venda ajuda na renda de quem vive no acampamento. Guilherme afirma que as fileiras de alfaces já estão vendidas para carrinhos de lanche. “Assim que estiver pronto é só levar”.

Recuperação da nascente do Córrego do Feijão

A produção agroflorestal não é a única ação dos acampados do Campo e Cidade Paulo Botelho para desenvolver e recuperar o meio ambiente. Participando da Campanha nacional do MST “Plantar Árvores, Produzir Alimentos Saudáveis”, de acordo com a acampada e dirigente da UMM (União dos Movimentos de Moradia), Juscilene Sena, mais de 150 mudas de árvores já foram plantadas no local e outras 75 serão plantadas perto da nascente do Córrego do Feijão como forma de protegê-la.

A imagem pode conter: 1 pessoa, planta, sapatos, grama, árvore, atividades ao ar livre e natureza

“Nós só queremos trabalhar. Isso é uma amostra do que nós vamos fazer quando a terra sair”, afirmou.

“O lugar que a gente chega, a primeira coisa que a gente quer fazer é , se tiver alguma nascente, preservar e recuperar, né?”, complementou o Sem Terra Guilherme.

Entenda o caso 

Desde o dia 9 de março, as famílias do MST e da UMM ocupam a área da antiga Rede Ferroviária Federal S.A (RFFSA), hoje administrada pela Secretaria do Patrimônio da União (SPU), no município de Jardinópolis (SP). Antes, o local estava sendo usado ilegalmente por empresas para a produção de cana-de-açúcar e como lixão de rejeitos agroindustriais e industriais. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra exige há anos que esta terra e outras pertencentes à SPU sejam destinadas para fins de reforma agrária.

#AlimentoSaudávelÉumDireito #TodosPelaReformaAgrária #PeriferiaViva #LuteComoQuemCuida

Fotos: Filipe Augusto Peres