A campanha de solidariedade ao povo brasileiro, Vamos Precisar de Todo Mundo, está comemorando a doação de mais de três mil toneladas de alimentos em cem dias de seu lançamento. São 315 pontos de coleta espalhados pelo Brasil, que recolhem doações de alimentos, materiais de limpeza e higiene, roupas e outros itens de necessidade para doar à população mais vulnerabilizada pela crise e pela pandemia. O coordenador da iniciativa, o ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência no governo Lula, Gilberto Carvalho, foi o entrevistado do programa Central do Brasil, desta sexta-feria (31), para falar sobre a campanha e o momento político do país.

::: Clique aqui para fazer doações via transferência bancária para a campanha Vamos Precisar de Todo Mundo ou acesse um ponto de coleta cadastrado mais perto de você. No site todo mundo.org também estão disponibilizadas opções para cadastrar uma iniciativa ou solicitar ajuda se for o caso. 

Durante a entrevista, Gilberto fez uma avaliação positiva da campanha, considerando que os 315 pontos de coleta de doações espalhados pelo Brasil demonstram o envolvimento e engajamento dos movimentos sociais. Estão juntos na campanha, organizações como o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), o Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras por Direitos (MTD), a Central de Movimentos Populares (CMP), o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), entre outros, além de partidos, sindicatos, entidades de classe e coletivos populares.

Segundo o ex-ministro, o conceito de solidariedade, aliado às ações políticas, é uma ferramenta importante para a aproximação e conscientização junto à população: “é uma oportunidade que temos de ganhar a credibilidade do povo e nos aproximarmos das periferias, para que eles nos vejam como sinal de esperança e não apenas como propagandeiros políticos que só aparecem na hora de pedir voto. Temos uma rede grande de movimentos sociais e sindicatos que, junto com os partidos de esquerda, podem se converter em vasos capilares junto ao povo”, disse.

Gilberto ressaltou que é a solidariedade de classe  que liberta, pois é uma ação do povo para o povo, numa confirmação de que a união entre a classe trabalhadora é que pode mudar as condições de vida dos excluídas pela desigualdade social.

Ele também anunciou a realização de plenárias estaduais nos 27 estados do Brasil, que já estão em fase de organização. O objetivo é expandir a campanha e a consciência sobre a importância da solidariedade de classe. “Nessas reuniões, vamos conclamar os movimentos para o alerta de que precisamos exigir do governo federal um programa de renda básica, pois os empregos tendem a não voltar no pós-pandemia. Então, precisamos chamar a atenção para que esse auxílio emergencial seja reestruturado num bolsa família renovado, conforme projeto que já foi apresentado pelo Partido dos Trabalhadores no Congresso.”

Assista à entrevista na íntegra no programa Central do Brasil, a partir dos 9 minutos e 40 segundos: 
 

CdB

Publicado por Frente Brasil Popular em Sexta-feira, 31 de julho de 2020