Como parte da campanha de Solidariedade Vamos Precisar de Todo Mundo, que está levando auxílio a milhares de pessoas durante a pandemia, neste sábado (21), ação dos camponeses Sem Terra e pequenos agricultores do MST do norte Paraná, organizou e doou 44,150 toneladas de alimentos, entre arroz, feijão, mandioca, batata, grande variedade de frutas e hortaliças, além de pães, bolachas, leite e sabão caseiro, ultrapassando a meta inicial de 32 mil kilos de alimentos. Ao todo, foram 10 caminhões com 3 mil kits distribuídos na periferia de Londrina.

A ação é fruto da união entre 11 acampamentos e assentamentos do MST, de 7 municípios da região norte, e pequenos agricultores de Tamarana, Londrina, Mauá da Serra.

Desde o início da campanha, o MST já doou mais de 1.500 toneladas de alimentos agroecológicos em todo o Brasil.

A coordenação do MST e das associações de moradores das comunidades organizam a entrega seguindo medidas para evitar a disseminação do coronavírus. Desde a organização dos alimentos até o momento da entrega, a utilização de máscara e o distanciamento físico estão sendo permanentes. A doações foram entregue a famílias já cadastradas e por meio de uma senha distribuída nos dias anteriores, para evitar aglomerações.

Três semanas após a redução das medidas de isolamento no Paraná, o estado vive um aumento preocupante do número de casos e mortes pela covid-19. São 11.085 casos confirmados e 386 mortes em decorrência da doença. Londrina tem 915 casos e 53 óbitos, segundo boletins oficiais divulgados nesta quarta-feira (17).

Os números apontam a necessidade de ampliar os cuidados e o isolamento social, e também a urgência em garantir as condições para que as famílias em maior situação de vulnerabilidade possam ficar em casa.

Solidariedade que brota da terra

A ação integra a campanha nacional do MST em solidariedade às pessoas que já enfrentam a fome por consequência da pandemia do coronavírus e pela insuficiência de políticas públicas. Com essa doação em Londrina, as comunidades do Movimento no Paraná chegarão à marca de 218 toneladas de alimentos saudáveis doados.

A iniciativa deste sábado envolve comunidades localizadas em sete municípios do norte do estado, que já realizaram outras doações na região desde o início da pandemia. Tudo sairá de roças e hortas doado pelos acampamentos Herdeiros da Luta de Porecatu, em Porecatu; Fidel Castro, em Centenário do Sul, Manoel Jacinto Correia e Zilda Arns, em Florestópolis; assentamentos Dorcelina Folador, de Arapongas; Eli Vive, de Londrina; Maria Lara, Centenário do Sul; Florestan Fernandes, de Florestópolis; Iraci Salete, em Alvorada do Sul; e Barra Bonita, em 1º de Maio. Pequenos agricultores de Londrina e Tamarana também vão contribuir com a ação.

No caso dos acampamentos, as famílias agricultoras estão em luta desde 2008 para garantir a permanência na terra e a efetivação da reforma agrária. Em 2019, nove comunidades rurais sofreram despejo, duas delas na região norte do estado. Mais de 500 famílias que garantiam renda e auto-sustento a partir do trabalho na terra entraram nas estatísticas do desemprego e vulnerabilidade nas áreas urbanas.

✊🏽 Participaram da ação a campanha Periferia Viva (da qual o MST faz parte), o Movimento dos Trabalhadores por Direitos (MDT), o movimento Levante Popular da Juventude, a igreja católica, associações e lideranças dos bairros urbanos.

#QuarentenaSemTerra #TodosPelaReformaAgrária #FiqueEmCasaNãoEmSilêncio #MST #AgroecologiaÉoCaminho #ForaBolsonaro

Assista à chegada do comboio com as doações
>

https://www.facebook.com/watch/?v=269897181093627