Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, foi preso nesta quinta-feira (18) em Atibaia, no interior de São Paulo. O mandado de prisão foi expedido pela Justiça do Rio de Janeiro. O ex-assessor estava escondido havia um ano em uma casa do advogado de Flávio e Jair Bolsonaro, Frederick Wassef. A operação foi batizada de “Anjo” por ser a forma com que o clã Bolsonaro se refere ao advogado na intimidade.

Para os parlamentares de oposição, a detenção de Queiroz mostra que o cerco à família do presidente “está se fechando” e representa uma derrota para Jair Bolsonaro. O deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), disse em seu Twitter que Flávio Bolsonaro sabia onde seu ex-assessor estava escondido. “Tá caindo o cerco da família! O perdido Queiroz não estava tão perdido assim, só esquecemos de olhar debaixo da asa da família. Tá tão colocado no Flávio que pede exílio pro próprio advogado”.

O senador Flávio Bolsonaro afirmou várias vezes em entrevistas à imprensa que, desde a internação de Queiroz no Hospital Albert Einstein para tratar um câncer, não tinha notícias do assessor.

A deputada e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann cobrou outras contradições do caso em seu Twitter:

Marcelo Freixo, deputado federal (Psol-RJ), acrescenta que Fabrício Queiroz era amigo de Bolsonaro e conhece todas as relações da família do presidente. “Ele jogava em todas as posições no time da família: ponta de lança na área da milícia, articulador das rachadinhas no gabinete do Flávio, trouxe o matador Adriano da Nóbrega para o elenco e ainda depositou dinheiro na conta da primeira-dama (Michelle Bolsonaro).”

Rachadinhas

Queiroz era contratado do gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Sua filha, Natália Queiroz, era funcionária do gabinete do então deputado federal Jair Bolsonaro. Demonstrando que tinha liberdade para agir, o assessor confirmou no final de fevereiro de 2019, que o esquema existia para formar uma rede maior de apoio ao mandato do então deputado estadual. Mas que nem Flávio Bolsonaro, nem o chefe de gabinete, sabiam das tais rachadinhas, esquema em que funcionários são coagidos a devolver parte do salário para o parlamentar.

Quando o escândalo veio a público, tanto Queiroz quanto a filha Natália, foram demitidos dos gabinetes de Flávio e Jair Bolsonaro. No mesmo dia.

A esposa de Queiroz, Márcia Aguiar, que também foi assessora do hoje senador, também teve a prisão decretada – ela não foi encontrada em seu endereço e é considerada foragida.

Cercadinho

Após a prisão do amigo e assessor, Jair Bolsonaro não deu a famosa paradinha para falar com seus seguidores no cercadinho do Palácio da Alvorada. Deixou a claque a ver navios. Sinal de que as nuvens estão pesadas pelos lados do clã.

da redação com RBA