MST e MSTC se unem com muito amor para a produção de quentinhas saudáveis e saborosas oferecidas à população em situação de rua e vulnerabilidade

É com muito amor que o Movimento Sem Teto do Centro (MSTC) e o Movimento Sem Terra de São Paulo (MST/SP) se unem para a produção de quentinhas saudáveis e saborosas oferecidas à população em situação de rua e vulnerabilidade. Uma entidade do campo e outra da cidade, ambas agentes sociais que em comum sustentam a produção da vida. Em meio à crise sanitária, social e econômica, a solidariedade é um ato de resistência.

Nossas quentinhas são elaboradas por chefs convidados e feitas nas cozinhas da Ocupação 9 de Julho do MSTC e do Armazém do Campo do MST. Havendo arrecadação suficiente, a iniciativa poderá se expandir para outras cozinhas solidárias para suprir a demanda de alimentação necessária. As cozinheiras e cozinheiros responsáveis pela elaboração das refeições na Cozinha da Ocupação 9 de Julho são moradoras e moradores de baixa renda das Ocupações do MSTC e recebem ajuda de custo para manutenção também de suas vidas nesse período de crise.

• Pela manutenção imediata da vida

• Um ato de resistência

• Doe uma quentinha 

O conceito geral do projeto sustenta-se a partir do gesto de cuidar do outro. Este cuidado, por sua vez, se dá, na prática, por meio de alimentar o outro. Nossas cozinhas não podem estar indiferentes àquelas e àqueles que, em situação de rua, passam fome durante a pandemia causada pelo Covid 19. Assim, iniciamos aqui essa campanha, para o resgate da ética originária que é a manutenção imediata da vida.

Queremos resgatar o conceito do fogo como aquecimento dos corpos, cozimento dos alimentos, da passagem do conhecimento e das experiências afetivas em torno dele. Experientes chefs de cozinha e uma rede de artistas apoiadores nos dão as mãos. Afinal, o cuidado de nos alimentarmos bem e assim alimentamos o outro requer não somente receitas variadas e fartas, mas, também, trocas de informações, solidariedade e poesia.

 “É necessário o coração em chamas para manter os sonhos aquecidos” – Sergio Vaz

Você pode alimentar uma pessoa. Para tanto, o principal gesto possível aqui é “oferecer uma quentinha para o outro” que serão feitas por cozinhas solidárias.

O valor de custo de cada quentinha é R$ 10,00. Doe uma quentinha ou quantas puder através dos nossos links. Doando mais quentinhas, nos valores de R$70, R$80, R$110, R$170, R$180 ou R$200 você recebe uma lembrança da Cozinha da Ocupação 9 de Julho do MSTC ou do MST/SP Armazém do Campo como gesto de gratidão à sua generosidade:  são panos de prato, copos, bonés, camisetas e aventais. Escolha já o seu.

Sendo um super apoiador, doando R$1.000 ou R$3.000, nossx grande obrigadx vai em forma de gravuras em serigrafias das lindas imagens da campanha LUTE COMO QUEM CUIDA.

Você também pode participar da nossa rifa semanal:) Pegue seu número da sorte e fique na torcida para receber uma recompensa de um artista parceiro queridx. Serão instrumentos musicais, peças autografadas e muitos presentes de cantores, cantoras e bandas que amamos e fazem parte da nossa história musical. [link em breve!]

E por fim contribua livremente ao nosso fundo de solidariedade, somando a quantia que puder. Junte-se ao coração do LUTE COMO QUEM CUIDA! Nós, da Cozinha Ocupação 9 de Julho MSTC e do MST seremos desde já sempre muito gratas e gratos.

SOBRE O MSTC / COZINHA OCUPAÇÃO 9 DE JULHO

O Movimento Sem Teto do Centro (MSTC) tem como objetivo garantir o direito constitucional à moradia e uma reforma política e social que democratize o direito à cidade como um bem comum. Atende mais de duas mil pessoas, entre adultos, crianças e jovens. Moradia não se resume a propriedade física, mas também diz respeito à vida familiar, segurança, saúde, educação, mobilidade e convivência comunitária. Ter acesso a um lar é porta de entrada para uma série de outros direitos, pelos quais também lutamos. Atualmente, o MSTC coordena cinco ocupações e um empreendimento no centro de São Paulo. O Residencial Cambridge, que foi uma ocupação, é, agora, um empreendimento financiado pelo programa Minha Casa, Minha Vida. Entre nossos apoiadores estão grupos de apoio à luta por moradia, universidades, jornalistas, artistas, arquitetos e arquitetas, profissionais da saúde, educadores e educadoras, coletivos de sustentabilidade. As ocupações são abertas à cidade e a Ocupação 9 de Julho se tornou um centro de cultura completo.

Desde 2017, funciona a Cozinha da Ocupação 9 de Julho, um projeto de cozinha coletiva, cujo objetivo é suprir as necessidades do MSTC em relação à alimentação durante suas atividades e promover, através de almoços abertos, uma maior visibilidade à luta por moradia. Assim, uma vez por mês, um chef com experiência é chamado para conduzir o almoço, em uma ação voluntária e aberta ao público. Nesses momento, visitantes e moradores experienciam o espaço coletivo da Ocupação, configurado pela área externa ao ar livre e as salas de uso comum. Os domingos de almoços incluem uma programação com shows, oficinas e ações de formação. Há ainda incentivo e apoio às atividades dos moradores, a maioria trabalhadores informais e de baixa renda, além de remuneração através do trabalho na própria cozinha. Agora, durante a pandemia de Covid-19, os almoços de domingo transformam-se em quentinhas para a população em situação de vulnerabilidade.

SOBRE O MST/ARMAZÉM DO CAMPO

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) é um movimento social que existe há 36 anos, e tem como objetivo lutar pela Reforma Agrária Popular e pela defesa dos bens e recursos naturais no Brasil. Presente nacionalmente, o MST organiza agricultoras e agricultores em 24 estados do país na luta pelo direito à terra, pela vida digna e pela sociedade socialista. Nos assentamentos e acampamentos, os agricultores e as agricultoras do MST produzem comida saudável e diversificada. Alimentos como mandioca, café, farinha, hortaliças, verduras, batata doce, abóbora, frutas, ovos, leite, mel entre outros são produzidos sem veneno, respeitando a natureza e promovendo o equilíbrio do meio ambiente, o que significa cuidar para não poluir o ar, não destruir matas e florestas e nem contaminar rios e subsolos com agrotóxicos, como faz o agronegócio no país. O Armazém do Campo é a loja de produtos agroecológicos, orgânicos e da agricultura familiar do MST presente em várias cidades do país.

Nesse momento de aprofundamento da crise econômica e sanitária pela Covid-19, contexto no qual o povo pobre está sofrendo com a falta de renda, o MST, desde o início de março, vem realizando ações de solidariedade para fornecer gratuitamente parte da comida que é produzida nos acampamentos e assentamentos. Na capital paulista iniciamos há um mês uma campanha de solidariedade para alimentar pessoas em condições de alta vulnerabilidade, como migrantes e pessoas em situação de rua. Conscientes de que serão as nossas mãos e os nossos sonhos que hão de construir a saída! Nestes primeiros 30 dias, conseguimos entregar 6 mil quentinhas.

Aqui, juntxs, vamos realizar muito mais!

Acompanhe as ações desta iniciativa em nossos canais @cozinhaocupacao9dejulho, @movimentomstc, @movimentosemterra e pela página exclusive da campanha @lutecomoquemcuida. Lá, você encontrará semanalmente conversas com artistas e chefs de cozinha, sobre como aliar gestos de cuidado nutrindo terra, produzindo alimentos, fazendo-o chegar a quem muito necessita, e, encontrando nesse percurso, uma onda calorosa de afeto e informações sobre como sustentar a própria vida.

Fale conosco:)

e-mail: [email protected]

instagram: @lutecomoquemcuida

@cozinhaocupacao9dejulho

@movimentomstc

@movimentosemterra