O Laboratório de Justiça Global e Educação em Direitos Humanos na Amazônia (LAJUSA) e o MAB – Movimento dos Atingidos por Barragem – realizam campanha para arrecadação de cestas básicas a serem distribuídas para as famílias no oeste do Pará – município de Souzel.

O Lajusa, em parceria com o MAB e o movimento Marajó Vivo, vem minimizando os impactos sociais em algumas comunidades do Marajó, por meio de doações de alimentos feita por parceiros, para as famílias de pescadores artesanais, ribeirinhos e quilombolas que vivem dentro de comunidades tradicionais.

A iniciativa se deu em razão da vulnerabilidade que muitas cidades do interior do Pará vem sofrendo por conta do novo coronavírus. Por meio de ações de solidariedade e campanha informativa, entidades e movimentos sociais se uniram para amenizar o que muitas famílias vem denunciando diariamente, em relação à falta de políticas públicas voltadas aos que estão mais vulnerabilizados pelo isolamento social.

“Aqui, estamos abandonados, muita gente não tem nem um ovo para comer, imagine dividir com o vizinho, essa situação é desumana. Sabemos que não podemos sair por conta de sermos também do grupo de risco, mas como vamos sobreviver sem trabalhar? Sem apoio de quem era pra tá olhando por nós. Estamos recebendo ajuda somente dos movimentos sociais, nos ajudem”, relata Tiene, da coordenação do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) em Souzel.

Na sexta-feira, 5 de junho, o boletim epidemiológico registrou 247 casos confirmados do novo coronavírus, 155 recuperados e 15 óbitos, esses números – assim como em várias cidades do Brasil preocupam por conta da cidade ser pequena e sem estrutura nenhuma para receber casos graves.

No último final de semana, seguindo todas as orientações da Organização Mundial da Saúde (OSM), foram distribuídas mais cestas básicas para as famílias, que são acompanhadas pelo MAB. “Toda ajuda neste momento é bem vinda, pois existem muitas famílias que não conseguiram fazer o cadastro de acesso ao auxílio emergencial, as famílias que conseguiram se cadastrar estão com dificuldades de sacar o recurso por conta da única agência lotérica da cidade está fechada”,  relata Tiene.

A principal ligação rodoviária de Senador José Porfírio com o território nacional se dá pela rodovia estadual PA-167, que liga a sede municipal à vila de Pontal de Belo Monte, na BR-230 (Transamazônica). Souzel também depende muito do transporte fluvial, que aporta na sede municipal. Os principais destinos partindo do porto são as localidades de Vitória do Xingu e Porto de Moz – dificultando transporte em caso de urgência, caso alguém se contamine e precise chegar com rapidez no único hospital dotado de UTI para casos do Covid19, situado em Altamira.

Segundo o último senso do IBGE, Souzel tem 13.045 habitantes, o território e ambiente apresenta 6.5% de domicílios com esgotamento sanitário adequado, 55.1% de domicílios urbanos em vias públicas com arborização e 6.3% de domicílios urbanos em vias públicas com urbanização adequada (presença de bueiro, calçada, pavimentação e meio-fio). Quando comparado com os outros municípios do estado, fica na posição 89 de 144 das demais cidades. Já quando comparado a outras cidades do Brasil, sua posição é 4.663 de 5.570, respectivamente.

Segundo o balanço nacional do Ministério da Saúde, divulgado na sexta (5), o Brasil chegou a 35.026 mortes e 645.771 casos confirmados. A diferença para o último balanço foi de 1.005 novos óbitos registrados.

Esta ação abraça o Xingu, que vem realizando, através do MAB muitas ações de combate ao Covid19, através da distribuição de cestas básicas e campanha informativa.

“É fundamental que as redes de apoio e solidariedade se ampliem por toda a Amazônia.”

 

Fotos: Tiene/MAB

Fonte: Lajusa