O Brasil é o segundo país mais desigual do mundo, perdendo apenas para o Catar, um emirado absolutista e hereditário no Oriente Médio. Aqui, o 1% mais rico concentra 28,3% da renda total do país, contra o 1% que concentra  29% no país árabe, conforme ranking sobre o desenvolvimento humano da ONU.

A chegada da pandemia evidenciou essa desigualdade no Brasil, reacendendo os debates sobre a necessidade de taxar fortunas como medida urgente de redução da desigualdade social. A campanha Taxar Fortunas para Salvar Vidas,
lançada pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo visa chamar a atenção da sociedade para esse debate e conquistar apoiadores, por meio de um abaixo assinado, para pressionar o Congresso a colocar em pauta as matérias que já tramitam na Casa sobre o assunto.

Esse é o tema da live desta quarta-feira no canal Você acha justo?

O ator Caco Ciocler, os economistas Eduardo Moreira e Esther Dweck e o auditor fiscal Paulo Gil Introini vão conversar sobre o papel das grandes empresas, dos bancos e dos super-ricos no enfrentamento da crise pós-pandemia. E vão mostrar também por que o grupo formado pelo 0,1% mais rico da população – dona de quase 30% de toda a riqueza nacional – pode (e deve) exercer uma contribuição maior na arrecadação, como propõe a Reforma Tributária Solidária.

Inscreva-se no canal e anote o endereço para acompanhar a live, hoje (3), às 19h.

https://www.youtube.com/channel/UCTYJO6rSQtM5wdWdVOXGIgA