Após lançamento da Plataforma de Emergência organizações populares cobram governo do estado e prefeituras

A Frente Brasil Popular em Rondônia lançou no ultimo dia 23 de abril, a Plataforma Estadual de Emergência, com 35 medidas para amenizar os impactos sociais e econômicos à população rondoniense, em especial às famílias de baixa renda, diante da atual crise sanitária causada pelo Covid-19. Desde então as diversas organizações entre elas sindicatos e movimentos sociais tem cobrado a efetivação das medidas.

Na ultima semana o estado ultrapassou os 1700 casos, com mais da metade dos municípios com casos já registrados, o que levou o estado a voltar atrás na flexibilização do isolamento que vinha adotando, entretanto as medidas anunciadas pelo governo são insuficientes para garantir com o isolamento com o mínimo das condições de sobrevivência aos mais vulnerais.

O documento além de já ter sido protocolado nos Ministérios Publico estadual e do Trabalho, aos 24 deputados estaduais, tem sido apresentado à vereadores, prefeitos. Na ultima semana uma comissão da Frente Brasil Popular discutiu a plataforma com o prefeito de Theobrama e presidente da Associação Rondoniense de Municípios – Arom, Claudio Santos, que encaminhará a plataforma aos demais prefeitos e prefeitas do estado e solicitará que as prefeituras mantenham dialogo com as organizações para construir as medidas e se comprometeu a dialogar com a bancada federal.

Em reunião com o presidente da Assembleia Legislativa, o deputado Laerte Gomes (PSDB), destacou a falta de dialogo do governo do estado e falta de planejamento para conter o aumento dos casos e disseminação da doença no estado. O presidente sinalizou que a plataforma pode ser o passo inicial para uma mesa de discussão dessas medidas com a assembleia, o governo do estado e a sociedade civil, foi encaminhado então uma reunião para recepção da plataforma na próxima semana por uma comissão de deputados da assembleia que construirão propostas a partir das medidas apresentadas para serem encaminhadas ao governo ou se transformarem em projetos de lei para discussão na casa.

Confira a Plataforma.