Moradores do bairro Paraisópolis, em São Paulo, montam SAMU paga por eles próprios ao custo de R$ 6 mil por dia. Um grupo de pessoas chamado “presidentes de rua” é o responsável por passar informações à Associação de Moradores. Cada presidente cuida de uma área. O sistema de emergência é acionado e leva os doentes a duas escolas transformadas em hospitais. “Já que não há nenhum apoio do governo, a gente decidiu se apoiar”, afirma um dos organizadores.

São a solidariedade e a união que estão fazendo a real diferença durante a crise gerada pelo isolamento social. Diversos movimentos  sociais estão agindo para arrecadar e doar alimentos, produtos de higiene e limpeza, além de máscaras e álcool em gel.

Assista aos depoimentos dos moradores no vídeo do Intercept Brasil